Faça da sua transição uma oportunidade

Compartilhar:
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp

A seleção genética e a evolução dos sistemas de produção têm levado as vacas leiteiras a produzirem cada vez mais. Assim, tornaram-se verdadeiras atletas que podem responder com mais produção à nutrição e manejo adequados, maximizando assim o retorno econômico do investimento. No entanto, a fase de transição entre o final da gestação e o início da lactação constitui um grande desafio pelo qual as vacas de hoje devem passar.

Este período é importante, porque em torno de 6 a 8 semanas próximas ao parto, a vaca deve ajustar seu metabolismo de forma rápida e precisa. Assim, em uma fase em que sua capacidade de consumo está deprimida, ela deve satisfazer as novas e maiores exigências nutricionais do início da lactação. Essa situação leva à mobilização das reservas corporais que, quando excessivas, aumentam o risco de doenças metabólicas (cetose, hipocalcemia). Junto com isso, o déficit de certos nutrientes (cálcio, glicose, microminerais e vitaminas), somado a uma alta mobilização de reservas, fazem com que nessa fase a vaca também fique imunossuprimida. Portanto, durante a transição elas também enfrentam uma maior probabilidade de sofrer de doenças infecciosas (metrite, mastite, etc.).

Pesquisas mostram que mesmo em diferentes níveis de produção, manejo ou raça, cerca de metade das vacas desenvolvem algum tipo de doença infecciosa ou metabólica nos primeiros meses de lactação. Isso condiciona a produção e a reprodução (Gráfico 1) e causa prejuízos que poderíamos considerar como imediatos ou de longo prazo (Figura 1). Estes últimos, embora menos visíveis, são os mais importantes, pois representam 2/3 dos custos que podem afetar esta etapa.

 

Figura 1. Tipos de custos que podemos ter durante a transição

A transição é um grande desafio para a vaca e, portanto, para a produção leiteira. No entanto, também devemos considerar que, quando percorrido corretamente, pode ser altamente lucrativo. E isso não só pelas perdas que deixam de ocorrer, mas pelos efeitos positivos que isso tem na produção e reprodução da próxima lactação.

+ posts
COMPARTILHE:

Notícias Relacionadas