Localizada no interior do Paraná, a planta de Toledo completou, em abril, 25 anos de operação no segmento de nutrição animal, sendo uma das mais importantes da região Latam Sul e ajudando no atendimento de muitos clientes nos segmentos de bovinos de corte e leite, aves e suínos.

A unidade é responsável pela produção de Premix, Núcleos minerais vitamínicos, Rações mini peletizadas para leitões (YAN) e Suplementos minerais para bovinos, representando 20% do volume total de nossas operações, além de atuar estrategicamente na condução de projetos de desenvolvimento de novos produtos e da expansão dos negócios em uma região de alto crescimento para o setor.

“A Cargill vem investindo fortemente em Toledo para aumentar a produtividade de nossos processos, para melhorias e modernização das nossas instalações e equipamentos, tudo isso com o objetivo de aumentar a proteção dos nossos funcionários e do meio ambiente e assegurar a segurança alimentar dos nossos processos”, diz Eudes Costa, Líder de Operações da CAN Latam Sul.

História de crescimento

O diferencial da planta de Toledo é a manipulação de matérias-primas de origem animal e ractopamina, atendendo aos requisitos dos clientes, sendo alguns deles as principais cooperativas do setor do Paraná.

Quando começou a operação, em 1996, tinha apenas uma linha de produção de Premix, hoje são seis que chegam a produzir 5,5 mil toneladas por mês.

Foi a primeira fábrica de nutrição animal no Brasil a receber a autorização pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) para uso de medicamentos (IN-65). Recentemente, instalou uma peletizadora para rações mini peletizadas para leitões (YAN) e uma rotuladora automática, buscando melhorar os processos e condições ergonômicas para os funcionários.

“Essa história foi construída por todos os nossos funcionários por meio do engajamento e comprometimento com a melhoria contínua nos processos. Como destaque, cito os projetos de melhoria contínua (ACI) conduzidos pela unidade, como Stable OPS, que trouxe estabilidade para as linhas de produção e ganhos de produtividade”, comenta Bernadete Matos, Gerente da planta em Toledo.

COMPARTILHE:


Versão de Impressão Versão de Impressão