Fibra em detergente neutro na silagem de milho

Os ruminantes são conhecidos por serem eficientes na digestão da fibra dos alimentos volumosos e subprodutos. Essa característica é oriunda de adaptações evolutivas no trato digestivo dos mesmos, o que permite a produção e uso de energia por meio da digestão da fibra dos alimentos. No entanto, nem todo alimento tem o mesmo potencial energético e, mesmo dentro de uma classe de alimentos, encontramos diferenças significativas no potencial de geração de energia. Vamos abordar as frações da Fibra em Detergente Neutro (FDN), a Fibra em Detergente Neutro Potencialmente Digestível e seus impactos na resposta animal.

Metodologia de análise

A Cargill® Nutrição Animal (CAN) tem alguns diferenciais na determinação analítica da FDN. Todas as amostras sofrem a extração de gordura antes de receberem o detergente neutro, fazendo com que o mesmo tenha uma ação mais efetiva na amostra. Além disso, junto o detergente neutro, são adicionados sulfito de sódio e amilase termo resistente, os quais extraem a proteína e amido ligados à fração fibrosa. Com todos estes ajustes, é possível chegar na fração do FDN pura. Evidentemente, os valores de FDN determinados na Cargill® Nutrição Animal por meio do Labtron são consistentemente mais baixos do que os valores determinados em laboratórios que não fazem estes ajustes. A obtenção da fração pura de FDN é fundamental para a determinação mais precisa do valor energético dos alimentos, pois sabemos que o perfil de fermentação do amido é completamente diferente do perfil de fermentação do FDN, assim como é diferente para outros nutrientes.

A determinação do FDN digestível é feita através do método de produção de gás in vitro. Resumidamente, este método consiste na incubação de uma amostra durante 72 horas numa solução contendo líquido ruminal coletado de vacas leiteiras fistuladas. Este processo determina o FDN potencialmente digestível no rúmen (dpFDN 72). O resultado dessa determinação é colocado em modelos matemáticos (AutoCalc®), que vão determinar o FDN fermentável no rúmen (dFDN) dentro do sistema produtivo em questão.

Essas duas análises são feitas por meio da metodologia NIR no Labtron, laboratório da Cargill® Nutrição Animal no Brasil.

Comportamento dos resultados nos últimos 12 meses

Na tabela e gráfico abaixo, podemos observar a variação dos valores de FDN e dpFDN 72 em mais de 2,5 mil amostras de silagem de milho. A variação no conteúdo e qualidade da fibra é bastante elevada, mostrando que existem materiais de excelente qualidade em nossas fazendas leiteiras, mas que também existem grandes oportunidades de melhoria na produção de silagens de milho de qualidade.

Pontos para reflexão

De acordo com o exposto acima, existem algumas reflexões que podem ser feitas:

  • Qual o impacto da variação na digestibilidade de FDN para silagens de milho com o mesmo teor de FDN?
  • Qual o impacto de materiais com baixa digestibilidade no consumo?
  • É possível reduzir amido quando tenho silagens com elevada digestibilidade de FDN? É possível reduzir concentrado? Qual o impacto no consumo?

A dFDN é um requerimento importante nos sistemas de formulação da Cargill, que tem um modelo próprio e específico para a fermentação ruminal, ajustado de acordo com a fase e sistema produtivo.

Novidades

A Nutron® tem investido forte em ferramentas que auxiliem a sua equipe na determinação rápida e precisa da composição nutricional de ingredientes. Para isso, adquiriu 10 equipamentos NIR portáteis que foram devidamente calibrados no Labtron, processo que durou aproximadamente um ano. A calibração dos equipamentos em laboratório que realiza a análise por química úmida é fundamental para obtenção de resultados seguros, algo que a Nutron não abre mão.

COMPARTILHE:


Versão de Impressão Versão de Impressão