Nesse segundo artigo sobre a ferramenta do desmame precoce vamos tratar dos principais   pontos de atenção para a implementação dessa ferramenta. Antes disso, vamos relembrar os principais benefícios e como a técnica pode auxiliar o pecuarista que trabalha com cria?

  • Melhor performance reprodutiva, devido:
    • Balanço energético positivo na fêmea, favorecendo a saída do anestro pós parto mais rápidamente;
    • Recuperação de reservas corporais (variável, mas entre 20-60 Kg);
  • Efeito residual: melhor performance na próxima gestação e prenhezes subsequentes;
  • Mais produção: mais prenhezes e Kg de bezerro desmamado ao longo da vida produtiva da fêmea.

Em decorrência do desmame precoce podemos observar uma relação negativa entre idade ao desmame e escore corporal das femeas, ou seja, quanto mais cedo o bezerro for apartado da fêmea, maior será o escore de condição da fêmea na estação de monta, conforme podemos observar na tebela 1 abaixo:

Figura 1 – relação entre escore corporal e idade ao desmame de fêmeas nelore multíparas

Idade ao desmame                                 Escore de Condição Corporal
1 2 3 4
3 meses 0 12,1 41,4 46,5
7 meses 19,6 39,2 37,3 3,9

Fonte: De Oliveira et al., 2017

 

Entre os principais pontos de atenção que precisam ser considerados para o sucesso da técnica podemos listar:

  1. Sanidade:

Bezerros ainda não tem o sistema imune totalmente desenvolvido nessa idade, e, portanto, estarão mais susceptíveis a doenças. Além disso, a apartação do par vaca-bezerro em si é um ato muito estressante, o que adiciona mais um desafio ao sistema imunológico do bezerro.  Veja na figura 2 a relação temporal de construção do sistema imune dos bezerros.

 

Figura 2 – Relação temporal de construção do sistema imune dos bezerros

Fonte: autores

 

  1. Nutrição:

Após a apartação a ingestão de nutrientes para a manutenção e crescimento dos bezerros passa a depender totalmente da ingestão de dieta sólida, via ração e pasto. Quanto mais cedo os animais começarem a consumir, melhor para o crescimento e menos problemas com doenças vão existir.

Uma possibilidade é que se faça um pré-condicionamento dos animais para estimular o consumo de ração o quanto antes. Isso pode ser feito por meio do uso da técnica do creep-feeding, por exemplo.

Os bezerros podem receber ração + pasto (figura 3), ou serem fechados em confinamento (figura 4) após a desmame. Para a segunda opção, a vantagem é o melhor controle sobre a dieta, além de maior facilidade para acompanhamento diário da saúde e performance dos animais. No entanto, o desafio sanitário também é maior no sistema confinado, já que os bezerros, ainda com sistema imune em desenvolvimento, estarão fechados e fisicamente próximos, o que aumenta a chance de proliferação e contaminação cruzada por microrganismos como vírus, bactérias e protozoários.

 

Figura 3 – Bezerros desmamados e mantidos a pasto com suplementação de proteico-energético de alto consumo, ou em confinamento, com dieta total

Fonte: Equipe Cargill/Nutron

 

Nesse sentido vale a pena ressaltar a importância de um protocolo sanitário bem estabelecido (tabela 1 abaixo) e que inclua vacinas de clostidioses, botulismo e leptospirose, a aplicação de endectocidas para controle de parasitos externos e internos, além da utilização de ionóforos na dieta para controle de coccidioses. Esses pontos são super importantes para evitar proliferação de doenças e mortes. Percebam que sanidade e nutrição são complementares. Animais que estão consumindo ração terão mais condições de ter um sistema imune mais bem estabelecido, e também responderão melhor a aplicação de vacinas, já que a produção de anticorpos “custa” nutrientes.

 

Tabela 1 – Sugestão de protocolo sanitário para desmame precoce

Fonte: Portal DBO

 

Ainda com relação a ração dos bezerros, essa deve ser altamente palatável e assim estimular os bezerros a encontrar e consumir a mesma em boa quantidade, o mais rapidamente possível após o desmame. Segue algumas referencias com relação a nutrição dos bezerros:

Suplemento (ração) Pasto
Consumo mínimo de 3g/Kg de PV Piquete de fácil acesso
Matéria prima de alto valor nutricional (Farelo de soja, milho, casquinha de soja) Pasto de boa qualidade, com muita folha e pouco colmo
Palatabilizante para atrair os bezerros ao cocho Pastos devem ser preparados com antecedência para recepcionar os bezerros
Nível de proteína entre 18-22% Feno de boa qualidade, se possível
Sombra disponível, se possível

 

Por fim, mas não menos importante: água! Água em qualidade e quantidade é super importante para o desempenho dos bezerros. Água de cacimbas e represas tem maior chance de ser fonte de patógenos, já que permitem que os animais entrem nas mesmas. Ao respeitar essas referências estaremos favorecendo o desenvolvimento do rúmen do bezerro, o seu sistema imune, além de estar suprindo os nutrientes necessários para o seu rápido desenvolvimento.

Para mais informações entre em contato com a equipe Probeef pelo site www.probeef.com.br.

 

Referências:

De Oliveira et al. 2019. Productive performance of pre-weaned calves reared in

the pantanal. Cienc. anim. bras., Goiânia, v.20, 1-12. DOI: 10.1590/1809-6891v20e-51187

COMPARTILHE:

Conheça Probeef a linha de suplementação em pasto da Nutron e acompanhe as novidades na página da Probeef no Facebook



Versão de Impressão Versão de Impressão