O campo mudou, isso é fato. Vivemos em um mundo que aos poucos está abrindo as portas para a eficiência feminina em áreas que os homens atuam com mais frequência. Essa é a realidade de Juliana Batista, Consultora Técnica da Cargill. “Estamos vivendo a era da agricultura 4.0, os músculos estão cedendo lugar à capacidade analítica e de gestão. E as mulheres estão atentas a esse movimento e se preparando através de qualificação técnica e educação formal. O mais interessante é que hoje vemos uma grande tendência de aumento das mulheres em postos de liderança no agro”, ela diz.

Mas como driblar dificuldades? Ao longo de sua carreira, Juliana enfrentou diversas situações em que precisou ter jogo de cintura para superar. “Logo no início da minha carreira, recebi uma proposta para trabalhar no interior de Minas Gerais. Ao chegar em uma propriedade rural, juntamente com um colega supervisor, fomos atendidos pelo proprietário, um senhor de cerca de 50 anos. Fiz algumas perguntas para entender melhor a situação e após finalizar, ele me escutou atentamente, se virou para o supervisor e perguntou: essa estagiária que você trouxe aqui sabe alguma coisa? Onde está o Ricardo (o veterinário sênior da empresa)? Nessa hora eu me senti uma mosquinha, mas respirei fundo e me posicionei, dizendo que apesar da pouca idade e experiência, eu estava ali para dar o meu máximo e ajudá-lo de todas as formas. Depois dessa visita, me programei para estar em sua granja todos os dias, inclusive de madrugada para entender todas as particularidades e conseguimos melhorar o resultado de forma substancial. Viramos amigos depois disso, rindo sempre desse episódio”, conta Juliana.

As adversidades só mostram o quanto o papel da mulher vem crescendo e como agrega para o agronegócio. Seu mestrado em Produção Animal e constante busca por conhecimento na área, mostram para Juliana o quanto o mercado evoluiu, aceitando sua eficiência. “O ser mulher traz para o campo a qualificação, humildade, senso de equipe, inovação. Além disso, como as mulheres precisam se “provar” para conquistar seu lugar, sua dedicação supera as barreiras e os resultados são entregues com maior consistência”, ela diz.

Em um mundo tão novo, Juliana encontro na tecnologia uma parceira fiel de trabalho. “As novas tecnologias, principalmente as que se referem à análise de dados, são fundamentais para a tomada de decisão rápida e assertiva. Sem isso não me vejo entregando os resultados que a agricultura 4.0 necessita, garantindo a inovação e desenvolvimento do nosso setor”, finaliza.

 

COMPARTILHE:


Versão de Impressão Versão de Impressão