*Entrevista com Lisiane Cazarotto, Coordenadora Técnica Comercial da Cargill.

Mesmo com um longo caminho a percorrer, a mulher está cada vez mais presente no agronegócio. Um estudo do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, revelou que nos últimos anos houve um aumento de 8,3% no número de mulheres trabalhando no agronegócio. “Somos protagonistas dessa história. Acredito que a preparação e qualificação sejam a chave para esse aumento no número de mulheres. A profissionalização da atividade tende a aumentar as oportunidades para a mão de obra feminina”, explica Lisiane Cazarotto, Coordenadora Técnica Comercial da Cargill. Entrando aos poucos em um mercado que antigamente era restrito aos homens, a mulher está ganhando espaço e tendo sua eficiência notada.

Uma realidade difícil de admitir é o fato de que em algumas situações ainda existem algumas dúvidas sobre a eficiência em relação aos homens. Para algumas mulheres, quando questionadas, mencionam que o pior desafio é a discriminação velada. “Aqueles olhares de desconfiança, a dúvida da nossa capacidade, isso pelo simples fato de pertencer ao gênero feminino. Acredito que para driblar isso, somente com muito trabalho e aquela busca constante de aprendizado e qualificação. A mulher acaba tendo que provar que tem capacidade para ocupar aquele lugar”, salienta Lisiane.

Para a Coordenadora Técnica Comercial da Cargill, é preciso enxergar além do gênero e analisar a competência, barreira que a mulher supera diariamente. Lisiane entende como sua presença pode somar ao agronegócio. “Acredito que a diversidade agrega muito no trabalho. Pessoas diferentes, com experiências diferentes, acabam enriquecendo processos. As mulheres, por todos os desafios que enfrentam, acabam desenvolvendo habilidades muito importantes, como a questão de adaptação à mudança e inteligência emocional. A mulher administra os conflitos de maneira muito eficiente. Conseguimos raciocinar sobre várias coisas ao mesmo tempo”.

A junção de sua formação em Medicina Veterinária com a dedicação em sempre aprender algo novo são fatores motivacionais para seguir a carreira. Em seus mais de 15 anos em atuação, Lisiane não tem medo de aprender coisas novas, como novas metodologias para aprimorar o trabalho. “As tecnologias auxiliam na otimização do nosso tempo, então conseguimos fazer mais coisas ao mesmo tempo. O mais importante que essas tecnologias auxiliaram foi na contribuição da qualidade da informação. Hoje, temos um acesso preciso aos trabalhos. Cada vez mais temos acesso a diagnósticos mais detalhados, que contribuem para os resultados”, encerra.

COMPARTILHE:


Versão de Impressão Versão de Impressão